Skip to content

Policial morto no jacarezinho video

  • by Jesús Torres

O Escritório de Direitos Humanos da ONU criticou duramente os ataques da polícia a supostos traficantes de drogas no Rio de Janeiro e denunciou abusos e execuções extrajudiciais.

A operação policial mais mortal da história da cidade matou 28 pessoas, incluindo um policial.

Vizinhos disseram que a polícia matou aqueles que queriam se render e entraram na casa sem mandado.

A polícia negou qualquer irregularidade e disse que o policial tomou medidas de autodefesa.

O Rio de Janeiro é uma das cidades mais violentas do Brasil. Grandes áreas são controladas por criminosos, muitos dos quais ligados a poderosas gangues de traficantes. As forças de segurança são freqüentemente acusadas de usar força excessiva em suas operações de combate ao crime.

“Política do Holocausto” no Rio de Janeiro?
Ouça o documentário “Força Mortal” nas favelas do Rio de Janeiro
A batida do Jacarezinho na quinta-feira foi uma das maiores favelas da cidade, conhecida como favela. A operação foi realizada por cerca de 200 policiais fortemente armados, incluindo um helicóptero blindado com um franco-atirador. A área é dominada pelo Comando Vermelho ou Comando Rojo, uma das maiores organizações criminosas do Brasil.

Um helicóptero da televisão filmou o homem pulando do telhado, enquanto moradores desesperados postavam vídeos nas redes sociais mostrando altos níveis de tiroteios, enquanto afirmavam que a polícia havia invadido suas casas e usado violência excessiva.

A defensora pública Maria Júlia Miranda disse que os vizinhos lhe contaram que um suspeito foi morto no quarto de uma menina de 8 anos. O chão e a cama da garota estavam manchados de sangue. A família testemunhou a chamada pena de morte. .

Miranda disse que ficou surpresa ao ver “muito sangue … e paredes marcadas por balas” ao visitar a favela. Ele disse que ainda há evidências de que a cena do crime não foi preservada e o corpo foi removido. Ele acrescentou: “Nessas circunstâncias, pode haver execuções.”

Um suposto traficante de drogas teria sido morto por testemunhas no quarto de uma menina de nove anos no bairro do Jacarezinho que tentava fugir.

O suspeito teria sido morto a tiros no quarto do menino. Organizações de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional, disseram que também receberam relatos e fotos de moradores dizendo que suas casas foram invadidas e que a polícia os matou quando não representavam mais nenhum perigo.

Jurema Werneck, Diretora Executiva da Anistia Internacional Brasil, disse em um comunicado: “Isso é totalmente inaceitável.” “Mesmo que a vítima seja suspeita de estar ligada a uma gangue criminosa, este fato não foi confirmado.

O nível de violência causou sensação até no Rio. O índice de criminalidade e a brutalidade policial do Rio os perseguem há décadas. Segundo dados oficiais, 404 pessoas morreram em operações policiais na metrópole da cidade entre janeiro e março.